Loas de maracatu

EITA QUE BAQUE BONITO
Eita que baque bonito, venha a ver que vem là
é o Estrela Brilhante botando seu povo pra brincar
Eita que baque bonito, venha a ver que vem là
é o Estrela Brilhante botando seu povo pra dançar
Nosso baque é de primeira, isso não posso negar,
nosso tambor sagrado louva Joventina e Mamae Iemanja
Nosso baque é de primeira, isso não posso negar,
nosso tambor sagrado louva Joventina e Mamae Iemanja

OLELEA OLELEO
Catirina, baiana e lanceiro escute o baque da nossa Naçao
Nosso tambor sagrado vem saudando toda Naçao
Catirina, baiana e lanceiro escute o baque da nossa Naçao
Nosso tambor sagrado vem saudando toda Naçao
Oléléa Oléléo é no baque virado Estrela Brilhante é Naçao nago
Oléléa Oléléo Joventina, Erundina e Cangaruçu é Mestre de valor

TAMBORES DO ESTRELA
Yeeeeee Yooooo
Tambor do Estrela é tambor sagrado em Naçao Nago 
x2
Escute o martelo, baque de parada, arrasto, imalê
Nossos tambores vibrando com muita emoção faz a terra tremer
x2

CLAREIA
Estrela, clareia a terra, Estrela, clareia o mar
x2
Clareia o gonga de beira mar, clareia
Clareia os filhos no gonga
x2

Rua 21 – Estrela brilhante do Recife
Desço a escadaria da rua 21
Bandeira tremulou, foi Estrela Brilhante quem me chamou
Desço a escadaria da rua 21
Bandeira tremulou, foi Estrela Brilhante quem me chamou
Estrela, Estrela, tu fala como um trovão
Estrela, Estrela, tu es o meu batalhão

Nação forte – Estrela brilhante do Recife
Estrela é nação forte o son du zuar dos tambores 
Estrela é nação forte o son du zuar dos tambores 
Meu mestre é braço forte vem saudando toda a nação
Meu mestre é braço forte vem saudando a sua nação
Vibra meu povo canta toda a nação
Salve salve Cangarussu o grande mestre da nossa nação
Salve o mestre Cangarussu o grande mestre da nossa nação.

Maracatu Nação Encanto da Alegria – Baque Forte – Vou buscar Ramos Verdes (Martelo)
Belas catirinas, o que vêm buscar?
Eu vou buscar ramos verdes pra brincar!

Eu vi um som ecoar do trovão – Analu Braga

Eu vi, eu vi, 
vi um som ecoar do trovão, 
para todos os mestres daqui, …
salve o estrela que é nossa nação, 
eu vi, eu vim, 
das montanhas vim da tradição,
branco ou negro de Brasil tupi,
treme a terra faz tremer o chão, 
Salve a cultura que é popular,
o baque é de bamba e não pode faltar,
salve o mestre cangarussu,
e a pisada forte do mandacarú,
reis e rainhas de um Brasil raiz, 
Tamaracá maracatu paris, 
Salve a Estrela do nosso trovão,
de onde Soares, Morales, canção, 
Rino na dança do maracatu,
e todos os Ramos dessa traddição

Meu coração bateu – Estrela Brilhante de Igarassú – Toada para Dona Olga 
Meu coração bateu, uma estrela brilhou,
Salve Dona Olga ela se consagrou,
Eu vou dançar
Eu vou
Dançar Saramuná
Eu vou
Ela é nossa rainha, não importa onde ela está
Eu vou dançar
Eu vou
Dançar Saramuná
Eu vou
Sustente o baque não deixe o baque parar

Badaué ilê Ayé Malé
Badaué ilê Ayé Malé
Débalê Oju Oba Oju Ladé
Catendê Babaoba Omi éré o
Oju Ladé Catendê Babaoba


Meu estandarte foi feito com fio de ouro

Meu estandarte foi feito
Com fio de ouro
Meu estandarte foi feito
Com fio de ouro
Ficou tao lindo
Ficou tao belo
Ele é o mais bonito
Ele é o meu tesouro
Ficou tao lindo
Ficou tao belo
Ele é o mais bonito
Ele é o meu tesouro

Lá na aldeia

Lá na aldeia aonde eu moro
lá tem cabocla bonitinha como essa nêga
Lá na aldeia aonde eu moro
lá tem cabocla bonitinha como essa nêga

a cabocla de pena, ela dança assim
a cabocla de pena, ela dança assim
a cabocla de pena, ela dança assim

com seu rosário

Mana minha (imalê)


O mana minha, o linda sereia
O mana minha, o linda sereia


O mana minha, o linda sereia
O mana minha, o linda sereia


Orubarana, senhora guerreira
Orubarana, senhora guerreira (virada)

Orubarana, senhora guerreira
Orubarana, senhora guerreira (virada)

Indio bravo (imalê)
Sou indio bravo sou guerreiro 
Das matas de Maraja

Sou indio bravo sou guerreiro 
Das matas de Maraja
Eu gosto é de pisar fogo
Pra ver faisca voarSou chefe dos meus cavalos
Me chamam Tupinamba (virada)Eu gosto é de pisar fogo
Pra ver faisca voar
Sou chefe dos meus cavalos
Me chamam Tupinamba (virada)


O sol nascente (marcaçao)

O sol nascente quando sai 
Pela rua a passear
Parece a balieira quando vem no meio no mar
Parece a balieira quando vem no meio no mar
(virada)
Para toda a naçao quém vem là
Para toda a naçao quém vem là
Hoje some e passa a bandeira nacional
Hoje some e passa a bandeira nacional
(virada)
Estrela brilhante quando sai, o povo gosta de ver olokê
As moças na janela chamam as outras para ver
(virada)

Tamaraca baque de ouro – (Imalé entrada Igarassu)

Tamaraca é baque de ouro responde no couro ao ouvir cantar

com Mineiro Gonguê e AB repica Alfaia ao Caixa chamar (coro)

Ogum Sete Ondas (Ele jurou bandeira)

Ele jurou bandeira
ele tocou clarim

Ele jurou bandeira
ele tocou clarim(coro)

Na beira da praia ogum sete ondas Ogum Beira-Mar
Na beira da praia ogum sete ondas Ogum Beira-Mar (coro)


Ele lutou por mim


Cantou de madrugada savará seu Beira-Mar saravá são Sete-Ondas
Cantou de madrugada savará seu Beira-Mar saravá são Sete-Ondas (coro)


Foi em 16 de julho de 1906 – Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife

Foi em 16 de julho de 1906
(x2)

Nascia o Estrela Brilhante
A forte Nacao de voces
(x2)

Foi vovo
Foi vovo
Que ouvindo seu baque forte
Consagrou de Nacao nago
(x2)

Cheguei meu povo– Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife

Cheguei meu povo, cheguei pra vadiar
Cheguei meu povo, cheguei pra vadiá

Sou eu a nação estrela não prometo pra faltar
Sou eu a nação estrela não prometo pra faltar
(ymalé)

Costa Velha –  Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife

Olha a costa velha, é nagô afa,
Estrela Brilhante é naçao germana
Olha a costa velha, é nagô afa,
Estrela Brilhante é naçao germana

Vejo que na estrela, tem um brilho sem igual,
Uma luz tao fagueira ilumina a corte real,
Uma luz tao fagueira ilumina a corte real
(marcaçao)

Oi clareou – Trovao das Minas

Oi clareou,

Do alto do céu eu vim,

Do alto do céu eu trouxe,

O meu povo a sorrir,

Oi clareou,

Do alto do céu eu vim,

Do alto do céu eu trouxe,

O meu povo a sorrir,

Eu vim de longe, foi,

Eu vim de pressa,

Pra sambar maracatu,

Minha sina, minha guerra

Eu vim de longe, foi,

Eu vim de pressa,

Pra sambar maracatu,

Minha sina, minha guerra

yimalé).


Virgem do Rosario – Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife


Foi na virgem do Rosario

Que os nossos tambores zuou

Foi na virgem do Rosario

Que os nossos tambores zuou 

Zuou, zuou, Marivalda Rainha

Ela ja se corouou

Zuou, zuou, Marivalda Rainha

Ela ja se corouou.

Canta toda naçao, brilhao meu pavilhao,

é no som dos tambor que Estrela é Naçao Nagô,

Canta minha naçao, brilha o meeeu pavilhao,

é no som dos tambor que Estrela é naçao nagô

Zuou, zuou, Marivalda Rainha

Ela ja se corouou.

Zuou, zuou, Marivalda Rainha

Ela ja se corouou.

(marcaçao)

Nossos tambores – Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife

Quando nossos tambores zuou
e a dama de passo girou
meu estandarte brilhou por que sou nação nagô
meu estandarte brilhou por que sou nação nagô.

vem nação, Estrela Brilhante cantar bate forte nossos tambores
rufa caixa, mineiro e ganzá
Joventina, Erondina não deixe o tambor se calar,
Joventina, Erondina não deixe o tambor se calar.
(marcaçao)

Estrela, que linda naçao – Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife

Estrela, que linda naçao
Seus tambor bate forte
O apito do mestre
Traz mais emoçao
Sou oruba
Sou naçao nagô
Bate forte o tambor
Na linha de frente
Sempre fui vencedor
Em todas as disputas,
Nunca tiveram vez,
Arreda da frente,
Chegou o mestre de vocês,
Estrela!

Estrela, que linda naçao
Seus tambor bate forte
O apito do mestre
Traz mais emoçao
(Break 2)
Sou oruba
Sou naçao nagô
Bate forte o tambor
Na linha de frente
Sempre fui vencedor
Em todas as disputas,
Nunca tiveram vez,
Arreda da frente,
Chegou o mestre de vocês,
Estrela!
(marcaçao)

Estrela, que linda naçao (2) – Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife

Estrela, que linda naçao!

Dona Joventina que nos dé a proteçao

Estrela!

Estrela, que linda naçao!

Dona Erundina que nos dé a proteçao.

Vem no baque virado

O maracatu

Toca baque virado

De maracatu

Estrela, a minha naçao!

Vem no baque virado

O maracatu

Toca baque virado

De maracatu

Estrela, a minha naçao

Badaue

Misteriosamente
O Badaue surgiu
Sua expressao cultural
O povo aplaudiu 
(2)
Badauee
Badauee
(x2)
Parare ponde
(x2)
Congo (x2)
E fe (x2)
Alafia (x2)
Congo e fe
A-la-fia!
O ooo ooo ooo 
Oo oo
(x2)

Mamae ta chorando

A mamae ta chorando
Porque eu vou me encantar
A mamae é culpada 
Da mae d’agua me levar
(x2)
O nao chora, nao chora mamae
O nao chora, nao chora papae
A mae d’agua me leva
Mae d’agua me leva
Mae d’agua me traz

O Estrela ta na rua – Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife

Mandei fazer uma casa 
Com a janela para o mar
Para Dona Joventina 
Rainha de Portugal
Mandei fazer uma casa
Com a janela para o mar
Para Dona Erundina
Rainha de Portugal
Quem foi 
Quem disse
Que o Estrela nao saia
O Estrela ta na rua
Com prazer e alegria (x2)
No beco escuro chegado a espinho
Estrela Brilhante que vem no caminho (x2) 

VIVA TAMARACA – Trovao das Minas


O nosso batuque é forte
e tem a origem de uma Tradição
Subindo e descendo ladeira faz tremer a terra, bate o coração
Subindo e descendo ladeira faz tremer a terra, bate o coração (côro)

Viva a Estrela Brilhante,
Viva Dona Santa e Dona Mariú!
Viva Dona Marivalda,
E a Estrela Brilhante de Igarassú
Viva o Bumba-meu-Boi,
Viva todos Reinados e o nosso Congá,
Viva todos Afoxés e Viva o Batuque do Tamaraca!
Viva a Estrela Brilhante,
Viva Dona Santa e Dona Mariú!
Viva Dona Marivalda,
E a Estrela Brilhante de Igarassú
Viva o Bumba-meu-Boi,
Viva todos Reinados e o nosso Congá,

Viva todos Afoxés e Viva o Batuque do Tamaraca!!!

Senhor Rei Senhora RainhaEstrela Brilhante de Igarassu

Dou boa noite,
Senhor Rei, senhora rainha,
Batuqueiro, baianinha,
Vamos juntos festejar.

O nosso baque,
Ele é o triunfante,
Salve a Estrela Brilhante,
Está em primeiro lugar.

Nagô, Nagô

Nagô, nagô
Nossa rainha já se coroou

Nagô, nagô, nagô
Nossa rainha já se coroou

Toque O Gongue – Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife


Toque o gonguê, balance o ganzá
É no baque virado que o Estrela vai passar


Cante sinhá, toque sinhô
Sou afro-africano e também Nação Nagô 

Levante A Bandeira  Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife

Levante a bandeira que o mestre apitou

Com dama de paço o Estrela chegou

Chegou, chegou

Com baque parada e baque trovão

Com dama de paço escuta o refrão


Horizonte  Maracatu Naçao Estrela Brilhante de Recife

Sou estrela do mar

Eu vivo a navegar

Eu sou!

Na ilusão do horizonte

Sou eu a estrela mais linda que há


Meu estandarte

Meu estandarte foi feito
Com fio de ouro
Meu estandarte foi feito
Com fio de ouro

Ficou tao lindo
Ficou tao belo
Ele é o mais bonito
Ele é o meu tesouro
Ficou tao lindo
Ficou tao belo
Ele é o mais bonito
Ele é o meu tesouro

Somos de água fria ô lê lê

Somos de água fria ô lê lê, 
Estrela Brilhante pra se ver.

Somos de água fria ô lê lê, 
Estrela Brilhante pra se ver.


Vamos vadiar com gosto

Vamos vadiar com gosto
Para o povo nao mangar
Vamos vadiar com gosto
Para o povo nao mangar

Se o Estrela nao saisse nao havia carnaval
Se o Estrela nao saisse era triste o carnaval

Sapato de cetim

Estrela brilhante é um brilho
Que merece a fantasia
Estrela brilhante é um brilho
Que merece a fantasia

E ouro, é marfim
Seu sapato é de cetim
E ouro, é marfim
Seu sapato é de cetim

Tamaraca baque de ouro – (Imalé entrada Igarassu)


com Mineiro Gonguê e AB repica Alfaia ao Caixa chamar (coro)
Tamaraca é baque de ouro responde no couro ao ouvir cantar

Tamaraca Baque de Ouro – (Imalé entrada Igarassu)

Tamaraca é baque de ouro responde no couro ao ouvir cantar

com Mineiro Gonguê e AB repica Alfaia ao Caixa chamar(coro)

Ponto de Nana – afoxé

Oxumarê me deu dois barajás
Pra festa de Nanã
A velha deusa das águas
Quer mugunzá

Seu ibiri enfeitado com fitas e búzios
O ponto pra assentar
Mandou cantar
Ê, Salubá!

Ela vem no som da chuva
Dançando devagar seu ijexá
Senhora da Candelária, abá
Pra toda a sua nação iorubá

Nao ha silencio  – afoxé

Noite de lua cheia 
Não há silêncio nessas ladeiras 
o movimento é na Ribeira 
Vem a cidade inteira juntar 
Sua voz a voz do Oxum Pandá

lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá laiá lalaiá 
lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá laiá lalaiá

Canto de negro é festa é tradição 
Cultura da terra meu afoxé meu grito de guerra 
Vem a cidade inteira juntar sua voz a voz do oxum pandá

Quando o toque ritmado do Atabaque ecoar 
Venha ver que noite linda tem Olinda pra lhe dar 
Quando o toque ritmado do Atabaque ecoar 
Venha ver que noite linda tem Olinda pra lhe dar

O meu tambor não se cala não 
A minha voz não morre jamais 
O meu tambor não se cala não 
A minha voz não morre jamais 
morre jamais

Quando o toque ritmado do Atabaque ecoar 
Venha ver que noite linda tem Olinda pra lhe dar 
Quando o toque ritmado do Atabaque ecoar 
Venha ver que noite linda tem Olinda pra lhe dar

O meu tambor não se cala não 
A minha voz não morre jamais 
O meu tambor não se cala não 
A minha voz não morre jamais 
morre jamais

lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá laiá lalaiá 
lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá laiá lalaiá

Noite de lua cheia 
Não há silêncio nessas ladeiras 
o movimento é na Ribeira 
Vem a cidade inteira juntar 
Sua voz a voz do Oxum Pandá

Canto de negro é festa é tradição 
Cultura da terra meu afoxé meu grito de guerra 
Vem a cidade inteira juntar sua voz a voz do oxum pandá

lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá laiá lalaiá 
lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá laiá lalaiá

Quando o toque ritmado do Atabaque ecoar 
Venha ver que noite linda tem Olinda pra lhe dar 
Quando o toque ritmado do Atabaque ecoar 
Venha ver que noite linda tem Olinda pra lhe dar

O meu tambor não se cala não 
A minha voz não morre jamais 
O meu tambor não se cala não 
A minha voz não morre jamais 
morre jamais

Quando o toque ritmado do Atabaque ecoar 
Venha ver que noite linda tem Olinda pra lhe dar 
Quando o toque ritmado do Atabaque ecoar 
Venha ver que noite linda tem Olinda pra lhe dar

O meu tambor não se cala não 
A minha voz não morre jamais 
O meu tambor não se cala não 
A minha voz não morre jamais 
morre jamais

lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá laiá lalaiá 
lalaiá lalaiá lalaiá lalaiá laiá lalaiá

Sem folhas nao tem Orixas – afoxé

Sem folha não tem orixá
Divindade do axé
Filhos de Ilê  Ifé
Ossain  mandou avisar
Sob os olhos de Olorum
Adiná folha sagrada
Ta no Ayê, tá no Orum

Ewé ossain
Ewé ossain eê (bis)
Ewé odundum ossain
Ewé Ossain eê


Oya o mulher forte  – afoxé

Oyá ô mulher forte
poderosa de sagrada
dona de tanta beleza
rainha obstinada
minha mãe meu orixá
é dona da minha vida
é tão linda minha oyá…me protege mãe querida!

Oxossi – afoxé

Oxóssi, filho de Iemanjá
Divindade do clã de Ogum
É Ibualama, é Inlé
Que Oxum levou no rio
E nasceu Logunedé!

Sua natureza é da lua
Na lua Oxóssi é Odé Odé-Odé, Odé-Odé
Rei de Keto Caboclo da mata Odé-Odé.

Quinta-feira é seu ossé
Axoxó, feijão preto, camarão e amendoim
Azul e verde, suas cores
Calça branca rendada
Saia curta estampada

Ojá e couraça prateada
Na mão ofá, iluquerê
Okê okê, okê arô, okê .
A jurema é a árvore sagrada
Okê arô, Oxóssi, okê okê

Na Bahia é São Jorge
No Rio, São Sebastião
Oxóssi é quem manda
Nas bandas do meu coração. 

%d blogueurs aiment cette page :